Alvos são dois integrantes da quadrilha acusada de fraudes bancárias

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) cumpre nesta quinta-feira (dia 22), com o auxílio da Polícia Civil e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP do Maranhão, a quarta fase da Operação Open Doors (Portas Abertas). Paulo Heitor Campos Pinheiro foi preso no Maranhão e Richard Lucas da Silva Miranda, conhecido como ‘Lucas Toni’, está foragido, ambos são acusados de fraude bancária.

A operação combate uma organização criminosa, sediada em Barra Mansa, e liderada por hackers que praticam diversos crimes patrimoniais, em especial a subtração de valores de contas bancárias de terceiros por meio de transações fraudulentas. Os mandados de prisão foram expedidos pelo Juízo da 2ª Vara Criminal de Barra Mansa.

A ação é um desdobramento da segunda fase da Open Doors, envolvendo, desta vez, a ocultação de patrimônio do denunciado Richard Lucas da Silva Miranda em conta bancária de titularidade da empresa PHC Pinheiro, sediada no Maranhão e que tem como dono o outro denunciado, Paulo Heitor Campos Pinheiro.

Durante a segunda fase da operação, Richard, um dos líderes da organização criminosa, teve apreendido um cartão bancário em nome da empresa e, a partir da quebra do sigilo bancário do hacker, foi verificado que Paulo utilizava-se da pessoa jurídica para a prática de crimes de lavagem de dinheiro. Com a identificação da conta, foi verificada intensa atividade criminosa, destinada à ocultação e movimentação do patrimônio ilícito da quadrilha.

Conforme apurado durante as investigações, os denunciados, em atuação conjunta com outras pessoas, estruturaram-se em uma organização criminosa voltada para a prática de centenas de crimes de furtos qualificados, em especial por intermédio de fraudes bancárias, obtendo vantagens ilícitas que se aproximaram de R$ 30 milhões. Somente entre maio de 2017 e setembro de 2018, por 252 vezes e em diferentes locais, Richard e Paulo, por intermédio da PHC Pinheiro, ocultaram e dissimularam um total de R$ 1.513.000 provenientes, direta ou indiretamente, de infrações penais.

Primeira fase 

A operação Open Doors foi inicialmente deflagrada em agosto de 2017 após investigações apurarem que ‘hackers’ burlavam a segurança bancária e conseguiam acesso aos dados dos titulares das contas lesadas, apropriando-se de senhas, CPF, nº de agência e conta e nome completo dos titulares. Com essas informações, eles solicitavam que outras pessoas, conhecidas como “cabeças”, lhes fornecessem contas de ‘laranjas’ para que pudessem direcionar o dinheiro subtraído das vítimas, utilizando-o para proveito próprio. 

Na terceira fase da operação, o objetivo foi cumprir três mandados de prisão de integrantes da organização criminosa, também denunciados por lavagem de dinheiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui