Um típico roteiro de série da Netflix. Assim pode ser analisado o episódio que movimentou Porto Real na tarde de quinta-feira (dia 2). A trama tem helicóptero com pelo menos uma pessoa armada, suposta ameaça a político por descumprimento de acordo de campanha e no fim o delegado dizendo que tudo não passou de um mal-entendido. Parecia mais um dia de semana normal na pacata cidade do Sul Fluminense, até que uma aeronave aterrissou no terreno em frente à sede da prefeitura de Porto Real.

Além da presença pouco comum de aeronaves no município com pouco mais de 16 mil habitantes, chamou atenção o fato de um dos quatro visitantes que se deslocava para o Centro Administrativo portar uma arma na cintura. Assustados, servidores municipais acionaram a polícia. Em poucos minutos, duas viaturas da Polícia Militar e uma da Polícia Civil chegaram ao local.


Homens que afirmaram que desejavam falar com o prefeito foram abordados e conduzidos à delegacia – Foto: Reprodução

Os homens que afirmaram que desejavam falar com o prefeito Ailton Marques (PDT) foram abordados e conduzidos à delegacia. Após prestarem esclarecimentos, por volta das 16 horas, eles deixaram a cidade no mesmo helicóptero. O delegado Marcelo Haddad garantiu que tudo não passou de um mal-entendido. Segundo o titular da 100ª DP, o homem armado é da segurança de um empresário e tem autorização para o porte. Disse também que o tal empresário estaria com a intenção de investir na cidade e que por isso queria falar com o prefeito.

Estranhamente, depois de o caso ser dado como mal-entendido, o suposto empresário não retornou à prefeitura para se encontrar com o prefeito e esclarecer a situação. A polícia não informou a identidade dos quatro homens conduzidos à delegacia. Versão A versão do chefe do Executivo local foi outra. Ailton Marques disse que não sabe quem seria o empresário e os homens que estavam com ele. Disse também que não havia audiência nenhuma marcada.

O prefeito afirmou também que esperaria a posição da Polícia Civil para entender qual seria o objetivo dos homens que foram detidos. “Chamamos a polícia porque não é normal chegar e querer falar com prefeito sem marcar, sem nada, ainda por cima armados. Foi uma atitude que tivemos por precaução. Eu nem cheguei a vê-los, e também quero entender o que está acontecendo”, disse o prefeito em contato com portal G1.

Após a polícia classificar o episódio como um mal-entendido, o prefeito não mais se manifestou a respeito. Ailton, que assumiu o cargo em consequência da morte do prefeito Jorge Serfiotis, chegou a ficar em silêncio ao ser questionado pelo jornal A Voz da Cidade se estaria recebendo ameaças de morte. Em seguida, ele disse que “isso acontece com chefes do Executivo”.

Uma parte importante do roteiro e que pode render novas temporadas: o prefeito estaria recebendo ameaças de morte por descumprir acordos firmados por seu grupo político durante a campanha eleitoral de 2016. A informação foi confirmada por pessoas ligadas à investigação. A reportagem da Folha do Aço tentou contato via WhatsApp, mas até o fechamento desta edição o prefeito Ailton Marques não tinha retornado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui