Em meio à ordem para fechamento do comércio em Barra Mansa devido à pandemia do coronavírus, os lojistas da cidade já começaram a demitir funcionários, segundo levantamento prévio realizado pela ACIAP BM (Associação Comercial, Industrial, Agropastoril e Prestadora de Serviços de Barra Mansa), CDL BM (Câmara de Dirigentes Lojistas) e Sicomércio BM (Sindicato do Comércio Varejista).

Segundo o presidente da ACIAP BM, Bruno Paciello, a situação pode se agravar nas próximas semanas. “Mesmo renegociando o pagamento de fornecedores, se os estabelecimentos continuarem fechados inevitavelmente teremos mais demissões. Os empresários já vêm de um longo período de vendas fracas e não têm, neste momento, caixa para manter impostos, aluguel de imóvel e folha salarial com os empreendimentos fechados”, argumentou Bruno.

Para o tesoureiro da ACIAP BM, o contador Fábio Marassi, as medidas efetivadas pelo governo federal até agora, com a flexibilização nas regras de concessão de férias e banco de horas, são positivas, mas não serão suficientes para segurar o setor por muito tempo. “Precisamos de medidas que aliviem o impacto de pagamentos de salários e prazo maior para pagar ICMS e impostos federais”, defendeu Marassi.

Na semana passada, as entidades apresentaram ao prefeito Rodrigo Drable proposta para reabertura das lojas em horário reduzido. “Os estabelecimentos funcionariam das 09h às 14h, com todos os cuidados necessários para garantir a proteção dos funcionários e clientes, com uso de máscaras, luvas e disponibilização de álcool em gel. Cada lojista seria responsável por fazer a higienização diária da calçada em frente ao seu imóvel”, descreveu Leonardo dos Santos, presidente da CDL BM.

O presidente do Sicomércio BM, Hugo Tavares, reforçou que as entidades estão preocupadas com a saúde da população e também com a economia do município. “Estamos sendo responsáveis e propondo medidas que possam garantir a manutenção de empregos e renda dos funcionários do comércio”, afirmou Hugo.

“Vivemos um momento muito complexo, no qual é preciso equilíbrio para tratar de todas as situações. Atualmente, Barra Mansa registra poucos casos da COVID-19, sem nenhum óbito. O sistema de saúde local está funcionando sem sobrecarga. Então, neste cenário, defendemos a abertura das lojas em horários que provoquem menos aglomeração no transporte público e menos movimentação dentro dos estabelecimentos. Caso a situação mude, a cidade registre mais casos e o sistema de saúde fique comprometido, voltamos a fechar as lojas”, finalizou Arivaldo Mattos, presidente do CODEC BM (Conselho de Desenvolvimento Econômico de Barra Mansa).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui