Nas últimas semanas, as redes sociais se encheram de reclamações quando a poluição do ar causada pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Moradores relataram grande quantidade de partículas, o chamado pó preto, em residências de bairros próximos a Usina Presidente Vargas. Além de postagens na internet, a população de Volta Redonda que se sente prejudicada pode entrar com ação judicial contra a empresa.

Segundo o advogado Murilo Baptista, o objetivo é buscar indenização pela emissão poluição atmosférica acima dos padrões de tolerância. “Numa casa com quatro pessoas, todos poderão entrar com ação, desde que esteja dentro de um perímetro que venha atingir um nível de poluição acima do normal, conforme mapeamento feito pelo Inea. A indenização seria em razão do prejuízo que a poluidora acarreta para cada um dos moradores”, explicou.

Por enquanto, 50 ações já estão prontas para serem ajuizadas e estão seguindo o mapeamento elaborado pelo Instituto Estadual do Ambiente, que aponta 24 bairros como os mais prejudicados: Niterói, Limoeiro, Vila Mury, Retiro, Jardim Belmonte, Ponte Alta, Conforto, Eucaliptal, Bela Vista, Rústico, São João, São Lucas, Sessenta, Santa Tereza, Laranjal, Tangerinal, Aterrado, Monte Castelo, Jardim Paraíba, Vila Brasília, Açude, Jardim Europa, Nossa Senhora das Graças e Padre Josimo. “A proposta é estender a ação para outros moradores de diversos bairros”, explicou Murilo Baptista.

Ouvido pela Folha do Aço, o advogado informou ainda que amparou seu pedido em jurisprudência sobre a matéria, guardando expectativa de êxito em sua pretensão. “CSN já está acostumada a ser demandada judicialmente por questões diversas, e naturalmente, também enfrentará essas novas questões ambientais”, relatou.

Com imóvel no bairro Nossa Senhora das Graças, a professora de Educação Física Iane Cristine relatou em sua página em uma rede social que usou uma balança para conferir a quantidade e pó preto encontrado em sua casa.

“Isso é um absurdo, olha a quantidade de poeira que a CSN está jogando na cidade. Ontem de manhã [dia 27] eu lavei meu quintal, quando foi à tarde varri novamente porque já estava com poeira. Hoje de manhã eu abro a porta e me deparo com muita poeira. Tirei fotos e ainda tive a curiosidade de pesar a saquinho de poeira que coletei na minha calçada, aproximadamente 500g de poeira”, disse a moradora do bairro Nossa Senhora das Graças.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui