O presidente Jair Bolsonaro utilizou sua conta no Facebook para esclarecer sobre a implantação da praça de pedágio na altura da Pedreira Pombal, em Barra Mansa, e em Guarulhos, no Vale do Paraíba paulista. Na transmissão da quinta-feira (dia 24), Bolsonaro confirmou que entrou em contato com o prefeito de Barra Mansa, Rodrigo Drable (DEM), para tratar do assunto.

Logo no início do vídeo, o presidente afirmou que em nenhum dos municípios citados serão implantados novos postos de cobrança para os motoristas. “Não tem pedágio em Guarulhos nem em Barra Mansa. A forma como os órgãos de imprensa estão divulgando as notícias nestas regiões mais atingidas é que não está certo”, esclareceu.

Em outro trecho, o presidente cita a conversa que teve com Drable. “Eu telefonei para o prefeito de Barra Mansa e conversei com ele. Uma conversa bem tranquila. Obviamente ninguém quer pagar pedágio, o prefeito está defendendo a sua área. Eu conheço bem a região e sei que há um fluxo muito grande de  transporte na localidade”, finalizou.

Twitter

Bolsonaro havia se pronunciado sobre o assunto na noite desta terça-feira (dia 21), por meio de postagem nas redes sociais. Na postagem, Bolsonaro citou a renovação da concessão da estrada que liga o Rio a São Paulo. “Por ocasião da renovação da concessão da Rodovia, que vence em 2021, nosso Governo proporá não só a diminuição do valor do pedágio, bem como não permitirá a construção de novas praças para sua cobrança”, garantiu.

No último dia 14, em audiência pública realiza em um hotel na zona Sul do Rio, foi apresentada a proposta da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) de incluir a Rio-Santos (BR-101) e uma nova praça de pedágio no trecho do Vale do Paraíba (BR-116) no pacote de concessão da via Dutra. O projeto do órgão ligado ao governo federal gerou insatisfação em políticos e representantes de entidades empresariais do Sul Fluminense, que temiam prejuízos econômicos para a região, principalmente com o risco iminente de aumento no custo do frete para o escoamento da produção.

A previsão, caso o edital fosse aprovado, é que o custo para o motorista que trafegue no trecho entre São Paulo e Rio, por eixo, aumente 6% o pedágio. O contrato atual da via Dutra, administrado pela CCR Nova Dutra, vence em março de 2021. Depois disso, uma nova concessionária vai administrar a estrada por 30 anos. O investimento previsto no projeto é de R$ 32 bilhões.

Foto: Reprodução da internet

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui