Ganhou um novo capítulo na novela que transformou a convocação dos aprovados no concurso público promovido em 2019 pela prefeitura de Volta Redonda. O Ministério Público Estadual manifestou-se, por meio de Agravo de Instrumento, contrário ao pedido de Tutela Antecipada protocolado no último mês de dezembro pelo prefeito Neto (DEM) contra o então prefeito Samuca Silva (PSC). 

Na ação, apresentada à Justiça antes mesmo de tomar posse, Neto buscou evitar que Samuca nomeasse ou convocasse candidatos aprovados nos concursos com editais de números 002 e 008, ambos de 2019. 

“A tutela deve ser deferida, pois no ‘apagar das luzes’ o Prefeito Municipal pretende nomear, sabe-se lá quantos servidores públicos, para que os respectivos salários sejam suportados pelo administrador que assumir o cargo a partir de janeiro de 2021”, argumentaram os advogados de Neto. De acordo com o MP, Volta Redonda possuía até o final do ano passado 971 pessoas contratadas por meio de RPA. 

A promotora Carolina Magalhães do Nascimento, da 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Volta Redonda, porém, contesta a versão do recém-empossado chefe do Palácio 17 de Julho. 

“A referida decisão […] merece ser reformada, pois a nomeação dos aprovados nos concursos 002/2019 e 008/2019 não estava sendo feita por mera liberalidade do então Prefeito Municipal, mas sim em estrito cumprimento a acordo judicial assinado pelo próprio Recorrido em 15/07/2013 (quando ele era o Prefeito Municipal)”, salienta em um dos trechos do pedido de efeito suspensivo protocolado na terça-feira (dia 19). 

A representante do MP cita que a decisão proferida pela Justiça em 17 de dezembro do ano passado, “anula completamente o intenso e cansativo trabalho que o Ministério Público do Trabalho tem feito desde 2013 para garantir que os princípios da impessoalidade e do concurso público sejam observados no Município de Volta Redonda. Por este motivo, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro requer a reforma da decisão interlocutória prolatada em 17/12/2020”. 

Mera expectativa de direito 

 Em um dos trechos do Agravo de Instrumento, a promotora Carolina Magalhães enfatiza que Neto, ao tempo da propositura da medida de suspender a convocação dos concursados, “possuía mera expectativa de direito de ocupar o cargo de Prefeito”. Ela se refere a incerteza jurídica, naquela oportunidade, sobre o futuro do prefeito eleito sub judice. 

“Deste modo, ele não detinha interesse processual e nem legitimidade ativa […] para ingressar com ação judicial que tenha como objeto a interferência na autonomia administrativa do então chefe do Poder Executivo Municipal. Ademais, o recorrido Antônio Francisco Neto sequer apresentou provas de que a nomeação dos aprovados nos concursos públicos 002/2019 e 008/2019 não está prevista em lei ou de que carece de previsão orçamentária. Logo, ele também não demonstrou que o presente processo é necessário para resguardar a sua expectativa de direito de ocupar cargo de Prefeito”. 

Por outro lado, a representante da 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Volta Redonda lembrou que documento intitulado Relatório de Gestão Fiscal – Demonstrativo da Despesa com Pessoal do primeiro quadrimestre de 2020 mostra que o município está 8,13% abaixo do limite de gastos com pessoal previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). 

“Por estes motivos, o Ministério Público requer a modificação da decisão prolatada em 17/12/2020 e a extinção do processo sem resolução do mérito”. 

Prejuízos à prestação de serviços 

 A promotoria entende haver incompetência da Justiça Comum para processar e julgar o pedido de tutela provisória antecedente, conforme recurso apresentado pelos advogados de Neto na 4ª Vara Cível de Volta Redonda. “Haja vista existir processo com sentença transitada em julgado perante a Justiça do Trabalho, motivo pelo qual eventual pedido de tutela provisória deve ser apresentado ao Juízo da 1ª Vara do Trabalho de Volta Redonda, único competente para apreciar a matéria, e não perante a Justiça Comum Estadual”, explica Carolina Magalhães. 

É destacado também que a demora na contratação dos aprovados poderá trazer mais prejuízos à prestação e continuidade dos serviços públicos de Volta Redonda, “deixando ao abandono a população local, destinatária originária destes serviços e responsável direta, mediante o pagamento de seus tributos municipais, pela estruturação de toda a rede pública. Isto porque, logo após a decisão que ora se combate, foram suspensas todas as nomeações e convocações, realizadas nos 180 dias que antecederam o dia 31 de dezembro de 2020”. 

Além do prejuízo causado à administração pública e aos serviços públicos com esta medida, ressalta a promotora, “ainda há evidente e absurda lesão à norma constitucional de concurso público para investidura em cargo ou emprego público”. Segundo a representante do MP, documentos anexados ao processo, constam documentação comprovando que diversos servidores que já haviam tomado posse e estavam em pleno exercício do cargo foram afastados pela Prefeitura justamente por conta desta decisão liminar, o que demonstra o enorme prejuízo que vem sendo causado no âmbito da administração pública, interrompendo o exercício legítimo destes servidores públicos e sua atuação na prestação dos serviços à população. 

“Salienta-se a imensurável gravidade, tendo em vista que os documentos trazidos à baila demonstram se tratar de profissionais da educação pública de Volta Redonda, área essencial, sequer necessitando de maiores dilações tamanha sua importância e essencialidade na vida da comunidade municipal. A partir destes documentos, podemos visualizar o afastamento de dezenas de profissionais na rede pública de ensino, e isto só contando esta área prestacional. Nesta seara, o deferimento do pleito liminar de urgência requerido é medida que se impõe, haja vista que decisão diversa estaria, em ato imediatamente reflexo, perpetuando um imensurável prejuízo social e coletivo, o qual tem por primeiro alvo os moradores do Município de Volta Redonda e da região Sul Fluminense”, consta no Agravo de Instrumento, que ainda será analisado pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui