Policiais federais e da Interol prenderam na tarde desta segunda-feira (dia 11), em Paraty, um ex-oficial da Marinha da Argentina, de 69 anos, que era procurado pelas autoridades do país vizinho. Gonzalo Sanchez é acusado na Argentina de crime contra a humanidade e sequestro.

Ele fazia parte da Escola Mecânica Armada da Marinha da Argentina, um dos mais tenebrosos centros clandestinos de detenção que funcionaram na Argentina durante a ditadura que vigorou de 1976 a 1983. O grupo foi responsável por assassinatos de estudantes, sindicalistas e políticos de oposição, cujos corpos foram jogados ao mar durante a ditadura.

Na época do regime militar argentino, Sanchez era oficial ajudante da prefeitura Naval Argentina. Em 2013, ele chegou a ser preso em Angra dos Reis, mas em 2016 teve a extradição negada pela Justiça, que ordenou sua prisão domiciliar. Somente no ano passado, o Supremo Tribunal Federal autorizou sua extradição, mas ele já tinha conseguido habeas-corpus e se encontrava foragido.

Um novo mandado de prisão foi expedido por ordem do ministro Luiz Fux, do STF, em janeiro deste ano. A partir daí, policiais iniciaram nova investigação e conseguiram localizar o estrangeiro em Paraty. O local exato não foi informado.

Sanchez disse aos policiais que o prenderam que está no Brasil há 11 anos e que trabalhava como engenheiro naval num estaleiro. Ele permanecerá detido na Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro até que a Supremo autorize sua extradição e entrega às autoridades argentinas. Foto: Reprodução/Internet

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui