Uma das mais tradicionais áreas de esporte e lazer de Volta Redonda será fechada ao público de forma definitiva. A Fundação CSN comunicou na tarde de sexta-feira (dia 12) o encerramento das atividades do Clube Recreio do Trabalhador, na Vila Santa Cecília.

De acordo com a Fundação, a decisão foi tomada em razão da pandemia do novo coronavírus. “Os clubes sociais foram obrigados a paralisar suas atividades, já que se tratam de locais propícios a aglomerações. É uma medida preventiva e obrigatória, ditada por normas de saúde pública”, destaca o comunicado.

O Recreio do Trabalhador está fechado desde o dia 16 de março, quando decretos dos governos estadual e municipal restringiram a aglomeração de pessoas. “A situação do Recreio foi mais agravada diante do fato de o clube vir perdendo grande quantidade de sócios, tendo seu quadro reduzido em 85% nos últimos anos, o que inviabiliza a arrecadação e recursos para a sua manutenção. Esse contexto foi muito agravado com a pandemia, quando aumentou significativamente a saída de sócios e cursistas”, contextualiza a nota.

Desta forma, prossegue o comunicado da Fundação CSN, “não resta outra saída que não seja o encerramento definitivo do Clube Recreio”. A direção da empresa, contudo, revela que está em tratativas para estabelecer parcerias com outros clubes da cidade “para que nossos associados possam se transferir, caso tenham interesse”.

Com o fechamento do Recreio, todos os funcionários foram dispensados, incluindo, educadores físicos, vigilantes e outros profissionais. “Reconhecemos e agradecemos a contribuição de toda
equipe, trabalhadores, professores, parceiros e associados em nossa jornada”, conclui o comunicado.

Inaugurado em 1954, o Recreio do Trabalhador conta com uma estrutura composta por um ginásio poliesportivo, quadras de tênis, campo de futebol, pista de atletismo e um complexo de piscinas.

Sindicato estuda acordo com terceirizadas para administrar o Clube

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Silvio Campos, informado do fechamento definitivo das atividades no Recreio do Trabalhador lamentou a decisão da CSN. “Como filho de metalúrgico, eu passei boa parte da minha vida no Recreio, que sempre foi um orgulho para a família metalúrgica”, relembra o sindicalista.

Diante do cenário, Silvio garantiu à Folha do Aço que pretende buscar entendimentos com a CSN para a reabertura do espaço. “O clube era aberto só para metalúrgicos, agora vamos negociar para que os mais de seis mil funcionários de terceirizadas, como a CBSI, Nomos, Magnesita, entre outras, possam utilizar também o local. Um potencial de mais de 20 mil pessoas”, detalhou

Outras parcerias admitidas por Silvio Campos para assumir a gestão do Recreio é com o Volta Redonda Futebol Clube e outras entidades da cidade. “Nossa intenção é que o clube não feche as portas. Todos nós da cidade temos uma relação histórica com o Recreio”, finalizou o presidente do Sindicato.

Foto: Reprodução/Internet

2 COMENTÁRIOS

  1. É graças ao sindicato que hoje os operários só tem renda apenas para sobreviver não sendo mais possível custear um lazer de um clube com sua família.Talvez se oferecer por dois anos de graça apareça alguém interessado.

  2. Puxa! Me sinto triste pelo o que está acontecendo. Eu estava aguardando o retorno das atividades do Recreio para minha folha ir a aula de natação. Tomara que consigam mante-lo aberto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui