O vereador Paulinho do Raio-X (MDB), alvo de um processo de cassação de mandato por suspeita de extorsão ao prefeito Samuca Silva (PSC), gravou um vídeo e postou em suas redes sociais na noite de terça-feira (dia 11). O parlamentar afirma que o caso que o levou a uma prisão em flagrante pelo Ministério Público e a Polícia Civil não passa de uma armação. O MP e a Polícia Civil negam.

No vídeo, Paulinho agradece as manifestações de apoio que tem recebido. “Venho aqui falar que nós vamos contar com os votos de todos os nossos companheiros de oposição, eu falo da Rosana Bergone, Jari, Pastor Washington, Neném, Carlinhos Santana, Granato, Isaac, Dinho e Tigrão. Eu quero agradecer. Eu conto com a ajuda de vocês”, comentou.

Depois de citar o nome dos vereadores de oposição, Paulinho do Raio-X ainda diz que sua cassação não deve ocorrer por conta do suplente. “A população conta com a ajuda. Até mesmo porque o meu suplente pertence a base do governo. E com a minha cassação, será mais um vereador a fazer parte do prefeito de Volta Redonda. Então eu quero agradecer as manifestações de carinho”, comentou.

CPC

Na última segunda-feira (dia 10), o vereador Paulinho do Raio-X compareceu à audiência convocada pela Comissão Processante da Câmara (CPC) para apurar a sua possível quebra de decoro. Acompanhado do advogado de defesa Carlos Roberto Bento, o parlamentar optou por não responder aos questionamentos do presidente da CPC, Sidney Dinho (Patriotas).

O presidente explicou que, após a apresentação das razões escritas, a Comissão Processante emitirá parecer final pela procedência ou improcedência da acusação e solicitará ao presidente da Câmara a convocação de sessão para julgamento  em cumprimento ao que prevê o artigo 5°, inciso V, do Decreto Lei 201/67.Example Ad #2 (only visible for logged-in visitors)

A investigação pode resultar na cassação do mandato de Paulinho do Raio-X que, em março, chegou a ficar dois dias preso, ao ser flagrado durante ação do Ministério Público Estadual e a Polícia Civil. Ele foi solto graças a um Hábeas Corpus (HC). Pelo crime, o vereador responde também na Justiça Criminal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui