As redes sociais foram tomadas na última semana por postagens indicando que a 2ª Vara do Trabalho de Volta Redonda determinou a suspensão imediata da cobrança dos honorários advocatícios dos processos dos trabalhadores da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) referente à PLR entre os anos 1997 e 1999. Em partes, as publicações até estavam corretas. Mas informações desencontradas criaram dúvidas e incertezas.


Para acalmar as partes envolvidas, nada melhor do que ouvir o responsável pela tese que garantiu para os metalúrgicos mais de uma dezena de vitórias em instâncias superiores do judiciário. Neste caso, o advogado Murilo Baptista.


Por meio de nota, subscrita também pela direção do Sindicato dos Metalúrgicos e escritórios de Volta Redonda, Rio de Janeiro e Brasília, o sócio do escritório Baptista & Reis criticou a postura de profissionais que tentaram gerar o clima de desconfiança às pessoas que ingressaram com a ação. “Em tempos de dificuldades financeiras para todos, é evidente que os metalúrgicos que já receberam valores nesses processos são incitados e iludidos a demandarem sobre o tema, repita-se, com a promessa de ganho imediato. Todavia, a questão não é tão simples e fácil como tenta fazer crer a matéria”, diz trecho da nota.


O advogado também se pronunciou nos veículos de comunicação da região, onde explicou a sentença de primeira instância. “A decisão judicial proferida pela 2ª Vara do Trabalho define que a partir de setembro de 2019, e até que as instâncias superiores concluíssem de forma definitiva a questão, não haveria a cobrança de honorários advocatícios nos processos em que os metalúrgicos, substituídos processualmente, viessem a receber as eventuais diferenças de PLR. Ou seja, a juíza determinou que até que se apure se os procedimentos e encaminhamentos do sindicato estão legítimos e corretos, que se abstenha de cobrar honorário. O entendimento é de que o sindicato deveria suportar esse ônus e não os trabalhadores”, explicou ele em entrevista ao Programa Dário de Paula.


Segundo Murilo Baptista, o Sindicato dos Metalúrgicos adotou todas as medidas legais para autorizar a contratação dos escritórios e a pactuação dos honorários. “Foi feito o edital, assembleia e toda rotina estatutária para formalizar a contratação foi cumprida. O Sindicato cumpriu a formalidade, vai exercer o seu direito de defesa, e a gente tem muita demanda sobre esse aspecto para reverter essa decisão”, garantiu.


Ainda na entrevista, o advogado faz um alerta aos metalúrgicos da CSN. “Enquanto os nossos recursos não forem apreciados, estamos cumprindo rigorosamente, mas é bom deixar claro que a informação incita e traz expectativa de ganho fácil e rápido, mas não é esse o caminho nem o que a decisão traz. Um metalúrgico que já buscou os valores não obteve êxito, porque o Tribunal de Justiça do Trabalho, de forma definitiva e irrecorrível, reconhece que todos os atos formais praticados pelo sindicato estavam dentro da legalidade, ou seja, não devolveu honorários. Além de não recuperar, teve que pagar o advogado. E a ação já transitou em julgado, uma decisão definitiva nessa direção”, esclareceu Murilo.

3 COMENTÁRIOS

  1. Entendo a pressa que também me aflige, no entanto, precisamos levar em conta a morosidade do judiciário cumulada com a infinidade de recursos, muitos deles nem sequer cabíveis, que são utilizados pelos advogados da CSN.
    Ao menos já estamos na reta final

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui