A presença de um hipnólogo no Big Brother Brasil fez aumentar a curiosidade sobre a prática. As pequenas apresentações aos outros participantes estimulam a discussão sobre a técnica. Há os que duvidam e os que acreditam, mas não é exagero dizer que a hipnose atrai curiosidade.

Além de sua vertente voltada ao entretenimento, a técnica também pode ser utilizada pelos hipnoterapeutas, como são chamados, para ajudar ou até mesmo curar problemas diversos. É o que afirma o volta-redondense Sylvio da Costa, ex-policial federal, que desde sua aposentadoria se dedica integralmente a área.

Para Sylvio, a hipnose tende a ser retratada de forma errada e até mesmo exagerada nos mais diversos meios de comunicação. “Muitos acreditam que o hipnotizado perde a consciência. Há muito misticismo em torno disso. Não funciona como vemos em filmes, o paciente só faz aquilo que tem vontade”, relatou Sylvio, que se diz adepto do tipo clínico da hipnose.

A modalidade clínica tem por finalidade curar ou atenuar problemas físicos como reações alérgicas causadas por poeira, ou até mesmo psicológicos, como diversas fobias. “Recentemente, uma mulher me procurou. Ela tinha fobia de molhar a cabeça. Fiz um processo conhecido como regressão, para descobrir a natureza da questão. O problema estava em um trauma que ela teve na infância e foi resolvido em apenas uma sessão. Dependendo do tamanho do problema, pode levar mais tempo. Não existe uma receita definida para esse tipo de tratamento”, afirmou o hipnoterapeuta, que garante estabelecer contato diário com seus pacientes para averiguar se o procedimento atingiu o resultado esperado.

Apesar de garantir que a hipnose funciona em diversos problemas e que não apresenta riscos, o hipnoterapeuta adverte que em casos de transtornos severos, o tratamento psiquiátrico é primordial. “A hipnose é uma ferramenta, estou aqui para ajudar. Transtornos como Borderline (um dos mais graves problemas psiquiátricos), não sou capaz de curar. Não tenho autoridade para tal. Por isso, sempre indico que meus pacientes com condições mais severas não abandonem o tratamento com o médico psiquiatra”, analisou Sylvio.

O hipnoterapeuta atende de segunda a sábado, em sua própria casa, conforme a necessidade dos pacientes. “Um dos preceitos de qualquer terapia é empatia, tento ajudar as pessoas ao máximo. Tento manter os atendimentos de segunda a sábado, mas se for necessário, atendo aos domingos também. Sempre viso o melhor para meus pacientes”, concluiu Sylvio. Os preços das sessões podem variar entre R$ 150 a R$ 200, dependendo da duração do atendimento. O telefone para agendar uma consulta é (24) 99220-4141

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui