Com a propagação de casos do novo coronavírus, ações de solidariedade têm se multiplicado em Volta Redonda. Seja para ajudar as pessoas em grupos de risco, suavizar as dificuldades do isolamento ou contribuir com os profissionais que estão na linha de frente do combate à Covid-19, os gestos de amparo e caridade vêm fazendo a diferença para uma parcela da população da cidade.

Na última semana, as polícias Federal e Civil aderiram às campanhas. Na terça-feira (dia 31), agentes da PF doaram sangue ao Hemonúcleo Municipal. O delegado Pedro Paulo Simão da Rocha foi um dos doadores. “Todo mundo tem que ajudar ao próximo. Me lembrei que estamos numa época de isolamento social, as pessoas estão em casa. Os hemonúcleos que já sofrem regularmente com poucos doadores, em época de pandemia o quadro tente a piorar. Eu viria sozinho, mas conversei com outros agentes que também aderiram a esta ação,” afirmou.

Há duas semanas, a coordenadora da unidade que funciona no Hospital São João Batista, Rosimere Herdy Guedes Cardoso, fez um apelo em busca de doadores, pois houve uma queda de 30% no estoque do Banco de Sangue. O ideal seria 30 doações diárias. O sangue coletado no Núcleo de Hemoterapia de Volta Redonda atende os hospitais São João Batista, Munir Rafful (Retiro), do Idoso e o Cais Aterrado, da Rede Municipal de Saúde, e os pacientes do Programa Unacom, no Hinja, em Volta Redonda; além do Hospital Municipal de Pinheiral e da Agência Transfusional, que fica no Hospital Flávio Leal, em Piraí.

O Hemonúcleo de Volta Redonda funciona de segunda a sexta, de 7h às 13h. O interessado em doar precisa apresentar documento com foto, ter entre 16 e 69 anos, pesar mais que 50 kg e estar com boa saúde.

Arrecadação

A Polícia Civil de Volta Redonda está arrecadando doações para famílias carentes afetadas economicamente pela pandemia do novo coronavírus. A frente da iniciativa, o delegado Wellington Vieira adianta que a primeira região beneficiada pela ação social será a do bairro Vila Rica/Três Poços, compreendendo Parque Vitória, Colorado, Casinhas e Parque Independência.

Segundo o titular da 93ª DP, devem ser doados alimentos não perecíveis, como arroz, feijão, macarrão e óleo de soja. Brinquedos também estão sendo aceitos. A prioridade, no entanto, é para materiais de limpeza e higiene pessoal, como álcool em gel, sabonetes e desinfetantes, que podem ajudar na prevenção do contágio da Covid-19.

O delegado Wellington Vieira adiantou que, se a campanha for bem-sucedida, poderá ser estendida para outros bairros carentes de Volta Redonda. As doações devem ser entregues na sede da 93ª DP, na Avenida Lucas Evangelista, no Aterrado, de segunda a quinta-feira, das 9h às 18h. Iniciada na última semana, a campanha tem participação do Conselho Tutelar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui