Com a desistência do prefeito Samuca Silva (PSC) de concorrer à reeleição, o apoio do governo do estado pode ser direcionado à candidatura de Antônio Francisco Neto (DEM). Sem a máquina pública municipal trabalhando a seu favor, uma aproximação com o governador Wilson Witzel (PSC) é vista com bons olhos por integrantes do grupo de Neto.

Contatos telefônicos e troca de mensagens com interlocutores ligados ao Palácio Guanabara, sede do governo estadual, foram intensificados por Neto e seus pares desde o final da tarde de quinta-feira (dia 4), quando Samuca oficializou a desistência da corrida eleitoral. Uma ala defende, inclusive, o agendamento de um encontro de Neto com Witzel para os próximos dias. “Seria uma maneira de eles se conhecerem mais de perto”, informou uma fonte.

Uma frente de prefeitos da região também trabalha nos bastidores pela aproximação da dupla. O movimento é encabeçado por Rodrigo Drable (Barra Mansa) e Diogo Balieiro (Resende), ambos recém-filiados ao DEM, atual sigla de Neto.

O objetivo é costurar nas principais cidades do Sul Fluminense dobradinhas entre PSC e DEM nas eleições majoritárias. Maior colégio eleitoral do Sul do estado, Volta Redonda é vista como estratégica para o plano prosperar.

Obstáculo
Todavia, para ser o escolhido do governador Wilson Witzel na corrida pela prefeitura, Antônio Francisco Neto precisa superar outro obstáculo: a Justiça Eleitoral. É que seu nome consta na lista de inelegíveis, por duas contas rejeitadas pelo plenário da Câmara de Vereadores, conforme parecer prévio contrário do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ).

Advogados e personagens influentes da política capazes de pavimentarem o caminho para a candidatura estão sendo consultados por Neto e pessoas próximas a ele.

Um dos ouvidos foi Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados. Maia articulou diretamente a filiação de Neto aos Democratas. Em 2018, a sintonia entre os dois por pouco não foi transformada em chapa para uma disputa pelo governo do Rio.

Além de trânsito livre em gabinetes de diferentes poderes em Brasília, o DEM de Maia comanda atualmente a secretaria estadual de Obras e Infraestrutura e também a autarquia Imprensa Oficial. Mais um trunfo importante na aproximação de Neto com Witzel.

No DEM fluminense, o ex-prefeito de Volta Redonda conta também com a simpatia de André Corrêa. Eleito deputado estadual, o político com vínculos familiares com a cidade de Valença, onde seu pai foi prefeito, assumiu o mandato no final de maio após liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Corrêa é investigado por suspeita de desvios públicos. Ele foi preso preventivamente em novembro de 2018 na Operação Furna da Onça.

Por enquanto, o que há de concreto, é que a desistência de Samuca da disputa eleitoral levou o grupo do ex-prefeito Neto a intensificar contatos que possibilitem encontrar uma brecha na Lei Complementar nº 135/2010. Resta saber se toda a articulação de bastidores será suficiente para limpar a barra de Neto com a Justiça Eleitoral.

Foto: Reprodução da internet

1 COMENTÁRIO

  1. É tudo farinha do mesmo saco!!!

    Sem Julio Trippa, filiado ao PSTU!!!
    PSTU – Partido Socialista dos trabalhadores unificado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui