Com o tema “Vidas negras importam”, a presidenta do PT-VR, Cida Diogo, promoveu uma live com o presidente do Clube Palmares de Volta Redonda, Edson Daniel João, popularmente conhecido como Mister, na última sexta-feira (dia 20), Dia da Consciência Negra. Data que marca o assassinato do líder quilombola Zumbi dos Palmares, em 1695. O objetivo do bate papo foi abordar sobre a necessidade de ações para enfrentar o racismo.

Os negros são maioria na sociedade, no entanto, o Brasil se mostra um país ainda racista. Durante a conversa, foram analisados dados comparativos sobre desigualdade entre brancos e negros. Mister falou sobre dificuldades que enfrenta no Clube Palmares e Cida lembrou que foi autora da lei que instituiu o feriado estadual, enquanto deputada, projeto sancionado pela também petista Benedita da Silva, governadora do Rio de Janeiro à época.

“O clube é na verdade é uma trincheira de luta há muitos anos em defesa da comunidade negra, da cultura negra, em Volta Redonda”, sintetizou Cida Diogo, ressaltando a necessidade do espaço e criticou a fala do vice-presidente da República, Hamilton Mourão, de que não existe racismo no Brasil. E citou o caso de João Alberto, negro assassinado no Carrefour, no Rio Grande do Sul, na última quinta-feira, como exemplo da realidade racista.

Fundado em 1965, o Clube Palmares tem sua sede na Rua Paris, no bairro Jardim Europa, e de acordo com o presidente, o local representa a base do movimento negro na cidade e de resistência até hoje. Ele contou sobre ter uma parcela de moradores que tentam tirar o clube do bairro e já foi movida ação para transformar o local em praça. Mas Mister ressaltou que a sede é uma propriedade regularizada, e foi instalada antes da expansão residencial.

“Estamos lutando e vamos continuar, porque a contribuição de Palmares para a sociedade é muito grande. O nosso quilombo está numa área nobre, mas estamos preparados para reagir. Quando nós chegamos lá, era morro, não tinha nada. Nossa primeira estaca foi um barraco e nós começamos a trabalhar. O povoado que não existia”, observou o presidente, que salientou também sobre o clube ser Ponto de Cultura Dará Palmares, concedido pela Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, em 2016.

Cida Diogo demonstrou apoio ao presidente e reforçou que defender o direito de estar ali é “exigir respeito à comunidade negra da cidade”. E completou: “Palmares pra mim é como uma casa, um espaço de todo mundo. De quem quer de fato contribuir para a construção de uma sociedade mais solidária, mais fraterna. Aquele espaço está e sempre esteve aberto”.

A petista falou também sobre o Memorial Zumbi, situado na Vila Santa Cecília. Ela defende a potencialização de suas ações e a descentralização das atividades para chegar a diversos bairros de Volta Redonda.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui