Em uma roda de conversa realizada nessa terça-feira (dia 3), o candidato à prefeitura de Volta Redonda, Granato, pelo Solidariedade, criticou a atual posição da CSN que mesmo tendo apresentado um lucro liquido de 1,262 bilhão entre julho e setembro de 2020, continua não investindo naquele que é o seu bem maior: o funcionário.

“Hoje, infelizmente, pelas informações que nos chegam à empresa paga o pior salário do meio metalúrgico. Além disso, vários benefícios foram cortados ou mudados como o plano de saúde, a possível troca do cartão alimentação por uma cesta básica, a mudança no pagamento da hora extra. Antes caso o empregado trabalhasse até 60 minutos de hora extra recebia mais 50%; se trabalhasse duas horas recebia mais 75% e se trabalhasse 3 horas ou mais 100%. Agora é apenas o que manda a lei, ou seja, uma hora por cada hora trabalhada”, afirmou o candidato.

Granato revelou que tem recebido muitas reclamações de funcionários da empresa quanto ao novo plano de saúde cujo atendimento tem causado várias filas e demora além do descredenciamento de clinicas e hospitais. Disse ainda que a comida servida hoje no interior da CSN é, segundo as denuncias que lhe tem chegado, de qualidade muito inferior a aquela de antigamente.

Poluição

Um dos principais temas da roda de conversa foi à questão da poluição produzida pela CSN e que afeta há vários bairros da cidade como os do Grande Retiro, Conforto e Volta Grande. Granato afirmou que assim que assumir irá manter um diálogo com a CSN, um diálogo sério em suas palavras, para que isso seja sanado no mais curto espaço de tempo.

“Até hoje tivemos duas conversas com a CSN. A primeira era de conflitos e aconteceu por 16 anos. Depois tivemos nos últimos anos uma conversa que não rendeu nada para a cidade. Muito pelo contrário. Agora, no nosso governo, vamos buscar um diálogo sério para que as duas partes saiam satisfeitas”, garantiu o candidato.

Planos

Entre os temas que serão abordados com a CSN, está a questão da reabertura do Recreio do Trabalhador, da Floresta da Cicuta, a ocupação de terras, o uso sustentável do Escritório Central, um melhor uso educacional para a Escola Técnica Pandiá Calógeras antes uma escola formadora de grandes técnicos e hoje relegada a ser apenas mais uma escola, e a posição do Plano Diretor da cidade, que foi retirada da pauta da Câmara Municipal por pressão da empresa junto ao atual prefeito.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui