Morreu na manhã deste sábado (dia 6), em Taubaté no interior de São Paulo, Luís Antônio dos Santos, aos 57 anos. O treinador e ex-atleta estava em sua casa quando sofreu uma parada cardíaca. A informação foi divulgada pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt).

O “maratonista de aço” foi medalhista de bronze no Campeonato Mundial de Atletismo de 1995, disputado em Gotemburgo, na Suécia.
Luís Antônio dos Santos nasceu em Volta Redonda, no ano de 1964. Começou a treinar na Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e competiu pela primeira vez em 1985, terminando os 10km da Volta do Maracanã em 16º lugar.

Correu sua primeira maratona em 1993, em Blumenau, e naquele ano veio seu primeiro grande resultado internacional, ao vencer a Maratona de Chicago (USA), uma das principais maratonas do mundo.

No ano seguinte, Luís Antônio venceu novamente a Maratona de Chicago. Em 1995, o atleta foi convocado para representar o Brasil no Mundial de Atletismo onde conseguiu a medalha de bronze na maratona, ao completar a prova em 2:12:49, ficando atrás apenas do espanhol Martin Fiz (ouro) e do mexicano Dionísio Cerón.

No mesmo ano, o ex-morador do bairro Água Limpa venceu a primeira edição da Maratona Internacional de São Paulo (vídeo abaixo).

Em 1996, o atleta participou dos Jogos Olímpicos de Atlanta, onde terminou a maratona na 10ª posição (a melhor colocação de um brasileiro na prova à época). Entre suas conquistas, também estão o bronze com a equipe brasileira na Copa do Mundo de Maratonas em 1997 e o título da Meia-Maratona do Rio de Janeiro de 1999.

Após se aposentar, Luís Antônio estudou para se tornar treinador e fundou a sua própria equipe, a Luasa. O time trabalha com atletas de todas as categorias e ainda mantém um intercâmbio com fundistas africanos, que veem ao Brasil para treinar e participar de provas de rua.

Com informações do site Surto Olímpico

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.