Por Adelson Vidal Alves

A consolidação de Gramsci no pensamento social brasileiro abriu novas portas para reinterpretação do Brasil em sua caminhada até a modernidade. No campo da esquerda marxista, o italiano trouxe ainda conceitos revigorados que puderam propor um novo caminho revolucionário em nosso país.

Enquanto nosso marxismo, débil em sua origem, forçava conceitos etapistas para enquadrar nossa problemática nacional e avaliar os caminhos de transição histórica, o conceito gramsciano de “revolução passiva” chegou como uma novidade valiosa para desvendar as características de nossa modernização.

O conceito de revolução passiva, muito semelhante ao de “via-prussiana” de Lênin, inclui o momento em que as classes subalternas pressionam por mudanças, enquanto as classes dominantes fazem concessões a partir de arranjos por cima, cedendo em alguns pontos, mas mantendo a exclusão das camadas populares na direção do processo.

No Brasil, a revolução passiva foi algo abundante. Está presente na independência, quando um herdeiro do trono português assumiu a direção de nossa emancipação política. Na Abolição da Escravatura, em 1888, na Proclamação da República, em 1889, na Revolução de 1930 e nas redemocratizações de 1945 e 1985.

Em todos estes momentos houve pressões de baixo, com concessões dos setores dirigentes, sem, entretanto, haver mudanças estruturais significativas. O caminho de nossas “revoluções passivas” teve uma característica particular, no qual a presença do Estado foi algo fundamental para sua concretização.

No entanto, a presença do poder estatalcomo força protagonista do processo, não impediu que nossa sociedade se tornasse uma “sociedade ocidental”, ou seja, uma realidade onde a democratização abriu caminho para o fortalecimento de uma sociedade civil robusta que se equilibra com o Estado.

Devemos ressaltar que a sociedade civil gramsciana se difere da de teóricos como Rousseau e Marx. Para o pensador sardo, a sociedade civil seria uma nova arena de luta política, onde vários organismos de difusão ideológica, os “aparelhos privados de hegemonia”, seriam expressões materializadas de uma disputa pela “hegemonia”. Ou seja, a direção ideológica e política da sociedade. Ressalto que a sociedade civil gramsciana faz parte de uma concepção ampliada do Estado, já que ali há claras relações de poder.

Nossa ocidentalização, pelo menos para os marxistas, é um momento fundamental para que se possa repensar a estratégia revolucionária. Ao contrário da Rússia de 1917; da China, de 1949; de Cuba, de 1959; e da Nicarágua, de 1979, onde fica claro o sucesso da “guerra de movimento”, ou seja, um assalto ao poder em espaço pequeno de tempo, no Brasil ocidentalizado, assim como a maior parte das nações do século XXI, a nova estratégia de luta revolucionária deve ser mais lenta e processual, no que ficou conhecida como “guerra de posição”.

Neste processo, as revoluções se dão por dentro das estruturas institucionais modernas, abertas pela s lutas democráticas, no qual a transformação social passa a ser algo mais complexo, com avanços e recuos nos seus vários momentos de luta. Para Gramsci, a revolução deve ter como ponto de partida a conquista da hegemonia, momento em que as classes subalternas conseguem estabelecer consenso majoritário para seus projetos.

A conquista hegemônica é o objetivo da guerra de posição, única estratégia verdadeiramente eficiente para a construção do comunismo no Brasil e nas sociedades “ocidentais”, segundo Gramsci.

* Adelson Vidal Alves é historiador

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui