O calendário eleitoral de 2020 ainda está em fase inicial, mas nos bastidores da política de Barra Mansa as costuras estão em processo avançado. Nomes de possíveis postulantes ao cargo máximo do Poder Executivo são debatidos quase que diariamente nas rodinhas de bate-papo no Centro da cidade e também nos gabinetes da prefeitura e da Câmara Municipal.

Certeza mesmo, é que o atual prefeito Rodrigo Drable está disposto a buscar a reeleição. Tudo indica que ele irá concorrer pelo PSC, partido do atual governador do Rio, Wilson Witzel. Em março deste ano, mais precisamente no dia 13, Drable deixou o MDB. A desfiliação consta no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Durante o período em que defendeu a bandeira do MDB, Rodrigo Drable contou com apoio de importantes figurões da política fluminense. Seu antigo partido, no entanto, caiu em descrédito. O prefeito de Barra Mansa então optou por mudar de ares. O site Foco Regional, em primeira mão, e outros veículos de imprensa da região noticiaram nas últimas semanas o acerto dele com o PSC.

A Folha do Aço apurou que a aproximação com o partido do atual governador foi costurada por Gotardo Lopes Netto, ex-prefeito de Volta Redonda, que vem atuando na condução de algumas ações, como a implantação das escolas militares no estado e muito próximo ao governador. “O Witzel, inclusive, ficou de ir à Barra Mansa participar do ato da minha filiação e de outras lideranças da cidade”, disse Rodrigo Drable em contato no início da tarde de sexta-feira (dia 28) com a Folha do Aço.

O prefeito de Barra Mansa demonstrou surpresa, no entanto, quando questionado pela reportagem sobre o registro no portal do TSE de seu nome entre os recém-filiados ao Democratas (DEM). A filiação aconteceu no dia 14 de março deste ano. O partido tem como um dos principais expoentes Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados. Maia, por sinal, na corrida eleitoral do ano passado, foi ciceroneado algumas vezes na cidade por seu xará. “Alguém deve ter colocado meu nome lá no DEM, mas não ficarei. Vou mesmo para o PSC”, garantiu.

A filiação partidária é um dos requisitos para a obtenção do registro de candidatura a cargos eletivos. O pretenso candidato deve ser filiado à sigla pela qual pretende concorrer com seis meses de antecedência. Após receber a relação de filiados dos partidos, a Justiça Eleitoral pesquisa as duplicidades de filiação partidária, ou seja, identifica as pessoas que estão ligadas a mais de uma agremiação, o que não é permitido pela legislação eleitoral.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui